Padrão de Raça Kuvasz

Kuvasz

Raça: Kuvasz

Grupo: Cães de Guarda e Utilidade

Função: Guarda e Defesa

País de origem: Hungria

Aprovado por: Osmir de Moraes Bastos - Presidente

 

APARÊNCIA GERAL: os cães desta raça são fortes, grandes e têm uma pelagem densa, ondulada e branca. Sua aparência agradável irradia nobreza e força. As partes de seu corpo, individualmente, se harmonizam como um todo, suas pernas não são nem curtas nem longas. A estrutura óssea é poderosa, porém não é grosseira. A musculatura é forte e delgada e as articulações mostram claros contornos.

Visto de perfil, o corpo forma um retângulo, quase um quadrado. Bem musculoso, apresenta uma construção forte, temperamento agradável e grande agilidade. Sua aparência denota uma infatigável habilidade para o trabalho.

PROPORCÕES IMPORTANTES

  • o comprimento do corpo é ligeiramente maior do que a altura na cernelha.
  • o ponto mais profundo do peito é aproximadamente a metade da altura na cernelha.
  • o focinho é ligeiramente mais curto do que a metade da cabeça.

COMPORTAMENTO / TEMPERAMENTO: o Kuvasz é determinado e sem medo.

Defende pessoas e propriedades confiadas aos seus cuidados, até mesmo com a própria vida. É autoconfiante e pode ficar agressivo se maltratado. É fiel, confiável e ama seu dono e tudo que o cerca.

Precisa de bastante exercício e deve ser mantido ocupado. É dependente e pouco exigente. É fácil de ser cuidado e pode suportar as mais severas condições climáticas. Esse cão aprecia qualquer amor e carinho dado a ele.

CABEÇA: tipicamente em forma de cunha, em harmonia com seu corpo, agradável, nobre e demonstra uma força considerável. O Kuvasz pode ser distinguido, principalmente de outras raças, pela forma de sua cabeça. A cabeça é caracteristicamente magra e seca. Nos machos, é  mais volumosa que nas fêmeas.

REGIÃO CRANIANA

Crânio: largo; testa ligeiramente proeminente com um distinto sulco.

Stop: pouco pronunciado.

REGIÃO FACIAL:  larga, longa e com boa musculatura.

Trufa: preta.

Focinho: cana nasal reta. O focinho se afina gradualmente, mas nunca é pontudo.

Lábios: pretos e bem aderentes. A comissura labial tem bordas irregulares.

Maxilares / Dentes: bem desenvolvidos; dentes fortes, regulares e completa mordedura em tesoura, de acordo com a fórmula dentária.

Olhos: de inserção ligeiramente oblíqua, amendoados e de cor marrom escuro. As bordas das pálpebras são pretas e bem aderentes ao globo ocular.

Orelhas: inseridas numa altura média. Um terço das orelhas levanta da base do crânio em curva, caindo rente à cabeça. São em forma de V com as pontas arredondadas.

Quando em alerta, estão ligeiramente levantadas. Nunca eretas ou torcidas.

PESCOÇO: mais para curto do que longo, bem musculoso, em um ângulo de 25° a 30° com a horizontal. A nuca é curta. Pele da garganta firme, sem barbelas. Nos machos,  o colar e a juba são muito expressivos.

TRONCO: visto de perfil, forma um retângulo diferenciando-se, ligeiramente, de um quadrado.

Cernelha: longa, marcadamente mais alta que a linha do dorso.

Dorso: de comprimento médio, reto, largo, bem musculoso e firme.

Lombo: curto, em firme continuação do dorso.

Garupa: ligeiramente inclinada, bem musculosa e larga; a pelagem  muito densa dá à garupa uma aparência suavemente maior.

Antepeito: devido à musculatura ser fortemente desenvolvida, o antepeito é arredondado, percebendo-se muito pouco a ponta do esterno.

Peito: profundo, longo e ligeiramente arqueado.

Linha inferior e ventre: em continuação ao tórax, levantando em direção à traseira.

CAUDA: inserida baixa, seguindo a ligeira inclinação da garupa em linha reta.

Verticalmente caída, tem uma ligeira curvatura para cima, sem ser dobrada (em gancho). Quando o cão está em alerta ou excitado, é permitido, no máximo, que se eleve até o nível da linha superior.

MEMBROS

ANTERIORES: as pernas anteriores suportam o corpo verticalmente até as articulações do carpo. São paralelos e moderadamente separados. Vistos de frente, a posição das pernas dianteiras estará correta se uma linha vertical traçada desde a articulação dos ombros correr ao longo do eixo dos membros e atingir as patas entre o 3° e 4° dedos. Vistos de perfil, a posição estará correta se uma linha vertical traçada desde os cotovelos até o solo passar pelo centro das pernas até a articulação dos carpos.

Ombros: escápulas longas, inclinadas e musculosas. Bem aderentes e firmes à caixa torácica, porém flexíveis.

Braços: de tamanho médio, bem musculosos. Os braços e os ombros formam um ângulo de 100° a

110°.

Cotovelos: secos, bem aderentes ao tórax, não virando nem para fora nem para dentro.

O braço e o antebraço formam um ângulo de 120° a 130°.

Antebraços: relativamente longos, retos, compactos com músculos delgados. Fortes tendões que alcançam as articulações dos carpos.

Carpos: bem desenvolvidos, firmes, com tendões resistentes.

Metacarpos: relativamente curtos, magros, ligeiramente inclinados (ângulo com a vertical de 10° a 15°).

Patas anteriores: redondas ou ligeiramente ovais, são firmes. Dedos curtos e altamente arqueados de maneira que a parte do meio não toca o solo. Elásticos e bem fechados. Almofadas elásticas e pretas.

Unhas duras, fortes, pretas ou cinza ardósia.

POSTERIORES: a posição dos membros posteriores, vistos de perfil,  estará correta se a angulação do joelho estiver posicionada verticalmente debaixo da crista ilíaca e a pata debaixo do quadril. A linha vertical que desce da ponta do ísquio toca o osso do calcanhar. Vistos por trás, a posição dos posteriores estará correta se a linha vertical, que cai desde a ponta do ísquio, correr ao longo dos eixos dos membros, esses sendo paralelos dos dois lados e encontrando-se no solo moderadamente separados.

Coxas: longas, largas, com músculos maciços bem inseridos na pélvis. A pélvis e as coxas formam um ângulo de 100° a 110°.

Joelhos: volumosos. O ângulo entre a coxa e a perna é de 110° a 120°.

Pernas: sua musculatura, que é longa e maciça,  insere-se nos jarretes com fortes tendões. Vistas por trás, são verticais e paralelas de ambos os lados e ao eixo do corpo.

Jarretes: largos, volumosos, secos e tendinosos. O ângulo do jarrete é de 130° a 140°.

Metatarsos: longos e perpendiculares ao solo.

Patas posteriores: ovais ou como os anteriores.

MOVIMENTAÇÃO: passos lentos e amplos. Quando em trote, a movimentação é leve, elástica, cobrindo bem o solo, dinâmica, constante e incansável. Os cotovelos não viram nem para dentro nem para fora.

PELE: bem pigmentada; de cor cinza ardósia e firme.

PELAGEM

Pelo: moderadamente duro, ondulado, ligeiramente rígido, sem tendência a emaranhar. Debaixo da pelagem de cobertura, que é mais grossa, há um subpelo mais felpudo. A cabeça, as orelhas e as patas são cobertas por pelos curtos (1 a 2 cm de comprimento), densos e lisos. A frente e as laterais dos membros dianteiros, como também nos membros posteriores, na região do joelho para baixo, são cobertas por pelos igualmente curtos (1 a 2 cm de comprimento) e retos. Encontramos franjas de 5 a 8 cm de comprimento na parte posterior das pernas, que alcançam os jarretes. Ao redor do pescoço, existe uma coleira natural que se estende até o peito, em forma de juba. Essa é uma particularidade mais notada nos machos. No corpo, nas coxas e nos braços, a pelagem é de comprimento médio (4 a 12 cm), ricamente ondulada, formando cristas, sulcos e mechas. A cauda é coberta, em toda sua extensão, por uma pelagem densa e ondulada, podendo alcançar um comprimento de 10 a 15 cm.

COR: branca. O marfim é permitido. A trufa, a borda dos olhos e os lábios são pretos.

As almofadas são pretas ou cinza ardósia. Uma cor escura é desejada para o palato, porém manchas rosadas são permitidas.

TAMANHO / PESO

Altura na cernelha:

machos: 71 a  76 cm.

fêmeas: 66  a 70 cm.

Peso:

machos: 48 a 62 kg.

fêmeas: 37 a 50 kg.

FALTAS: Qualquer desvio dos termos deste padrão deve ser considerado como falta e penalizado na exata proporção de sua gravidade.

FALTAS ELIMINATÓRIAS

  • stop pronunciado.
  • falta de pigmentação na trufa, lábios e borda dos olhos.
  • falta de 1 ou mais dentes (incisivos, caninos, pré-molares 2-4, molares 1-2). Falta de mais de 2 PM1. Os M3 são desconsiderados.
  • prognatismo superior ou inferior; torção de mandíbula. Falta de contato de mais de 2 mm entre os incisivos superiores e inferiores.
  • ectrópio, entrópio.
  • orelhas eretas.
  • cauda acima da linha do dorso mesmo em repouso ou enrolada para trás.
  • pelagem tendendo a ser felpuda, crespa, ou não ondulada, ou de arame.
  • pernas cobertas por longos pelos.
  • qualquer cor diferente da permitida.
  • todo cão que apresentar qualquer sinal de anomalia física ou de comportamento deve ser desqualificado.

NOTA:

  • os machos devem apresentar os dois testículos, de aparência normal, bem desenvolvidos e acomodados na bolsa escrotal.
Designer by Neoware - Criação e Desenvolvimento de Websites e Sistemas - Desafie nossa Criatividade