Padrão de Raça Bloodhound

Bloodhound

Raça: Bloodhound - Cão de São Humberto

Grupo: Cães de Caça e Presa

Função: Cão de Caça, Busca de Pessoas e Companhia

País de origem: Bélgica

Aprovado por: Osmir de Moraes Bastos - Presidente 

 

APARÊNCIA GERAL: cães de caça e sabujos, maciços, de tamanho grande, os mais possantes de todos os sabujos. Ele é harmonioso nas suas linhas, dotado de uma forte ossatura, de uma boa musculatura e de muita substância, mas sem impressão de ser pesado. Sua estrutura é alongada, inscrita num retângulo. O conjunto é potente e cheio de nobreza. Sua atitude é imponente. A cabeça e o pescoço atraem a atenção por  possuírem uma pele abundante, flexível e fina, pendente em dobras profundas.

Sua movimentação é impressionante, mais para lenta, com um certo balanço. É flexível, elástica e livre.

Nenhuma característica pode ser exagerada a ponto de quebrar a harmonia do todo, de dar uma aparência grosseira e menos ainda de prejudicar a saúde ou o bem-estar do cão. Possíveis exageros podem ser mencionados: olhos muito profundos ou muito pequenos, pálpebras distendidas, pele abundante e frouxa, com muitas dobras e essas, bastante profundas. Muitas barbelas, cabeça muito estreita. Cães muito grandes, com corpo pesado ou maciço demais, são igualmente indesejáveis, porque apresentam prejuízo no que tange à sua utilidade. 

PROPORÇÕES IMPORTANTES 

comprimento do corpo / altura na cernelha: 10/9. 

altura do peito / altura na cernelha: 1/2. 

comprimento da cabeça / comprimento do corpo: 3/7. 

comprimento do focinho / comprimento da cabeça: 1/2.

COMPORTAMENTO / TEMPERAMENTO: dócil, gentil, plácido e sociável perante as pessoas.

Particularmente ligado a seu dono. Tolerante com seus companheiros de  canil e outros animais domésticos. É antes de tudo reservado e obstinado. É sensível  tanto aos elogios quanto às correções.

Jamais agressivo. Sua voz é muito grave, mas ele não é um ladrador. 

CABEÇA: imponente, majestosa e cheia de nobreza, é o ponto característico da raça. É alta, porém estreita em relação ao seu comprimento. A estrutura óssea é bem visível. As faces laterais são planas e o perfil é quadrado. O focinho é sensivelmente paralelo à linha superior prolongada da testa. A pele, abundante e fi na, forma sobre a testa e as bochechas rugas e dobras profundas, caindo quando a cabeça está portada  baixa e se prolongando dentro das dobras das barbelas fortemente desenvolvidas. A pele é menos abundante nas fêmeas. 

REGIÃO CRANIANA: o crânio é alto, longo, mais para estreito e as faces laterais, planas. As arcadas sobreciliares são pouco proeminentes, apesar do que possam parecer. A protuberância occipital é muito desenvolvida e distintamente saliente. 

Stop: pouco marcado 

REGIÃO FACIAL 

Trufa: preta ou marrom; sempre pretas nos cães preto e fogo. A trufa é larga, bem desenvolvida e as narinas bem abertas. 

Focinho: tão longo quanto o crânio; alto, largo perto das narinas e de largura igual em todo seu comprimento. A cana nasal é reta ou um pouco convexa (ligeiro nariz de carneiro). 

Lábios: muito longos e pendentes. Os lábios superiores cobrem os lábios inferiores, o que dá um perfil quadrado ao focinho. Próximos às comissuras, atrás, eles ficam carnudos (menos pronunciados nas fêmeas) e se fundem imperceptivelmente nas barbelas abundantes. As bordas dos lábios superiores descem mais ou menos 5 cm  mais baixo do que o maxilar inferior. A borda dos lábios é bem pigmentada, preta ou marrom, de acordo com a cor da trufa. 

Maxilares / Dentes: dentição completa; mordedura em tesoura; dentes fortes e  brancos, regularmente inseridos em maxilares bem desenvolvidos. Mordedura em torquês é tolerada.

Bochechas: são magras com cavidades, especialmente abaixo dos olhos. 

Olhos: marrom escuros ou avelã, de um tom mais claro (âmbar) nos cães sem sela ou capa preta. Olhos de tamanho médio; ovais; sem lacrimejar; nem salientes, nem profundos nas órbitas, deixando a íris completamente visível. Pálpebras sem irregularidade nos seus contornos,adaptadas normalmente ao globo ocular; pálpebras inferiores um pouco distendidas, de maneira que um pouco da conjuntiva seja visível, são  toleradas. De modo algum os cílios podem tocar ou incomodar os olhos. A expressão é doce, gentil e digna, o olhar é ligeiramente melancólico. 

Orelhas: finas e flexíveis, cobertas de pelos curtos, delicadas e aveludadas ao toque; a cartilagem da orelha é muito longa, ultrapassando no mínimo a extremidade do  nariz quando colocadas sobre a cana nasal. Orelhas inseridas muito baixas no nível  dos olhos ou mais baixas, ao lado da cabeça, caindo em dobras graciosas, enroladas  para dentro e para trás (orelhas em saca-rolha). 

PESCOÇO: longo, de forma que o cão possa seguir a pista com o nariz no chão. 

Fortemente musculoso. A pele da garganta é solta e extremamente desenvolvida, apresentando barbela dupla,  menos pronunciada nas fêmeas. 

TRONCO: As linhas superiores e inferiores são quase paralelas. 

Cernelha: ligeiramente marcada. 

Dorso: reto, largo, longo e sólido. 

Lombo: largo, forte, curto, muito ligeiramente arqueado. 

Garupa: Bem musculosa, quase horizontal, jamais caída, bem larga e bastante longa. 

Peito: de formato oval, longo, alto, formando nitidamente uma crista entre os anteriores. Caixa torácica, suficientemente longa. Antepeito e ponta do ombro, bem salientes. Costelas bem arqueadas, nem planas, nem em barril. 

Linha inferior: quase horizontal; debaixo do peito, bem descida. Flancos bem cheios, largos e descidos; ventre só ligeiramente levantado. 

CAUDA: longa, forte, espessa, inserida alta no prolongamento da linha dorsal, diminuindo gradualmente para a extremidade. Portada em sabre. Em ação, a cauda é curvada graciosamente acima da linha dorsal, jamais enrolada ou desviada lateralmente. A parte de baixo da cauda é coberta de um pelo duro de mais ou menos 5 cm que fica progressivamente mais curto na extremidade.

MEMBROS 

Membros anteriores: bem musculosos, possantes, retos e perfeitamente paralelos. 

Ombros: longos, bem oblíquos e musculosos, mas não carregados. 

Braços: longos, oblíquos e formam uma boa angulação com os ombros. 

Cotovelos: bem aderentes; nem cerrados, nem soltos. 

Antebraços: retos, de ossatura forte e redonda. 

Pernas: firmes. 

Metacarpos: robustos e bem aprumados, vistos de frente. Vistos de perfil ligeiramente inclinados para frente. 

Patas anteriores: compactas, muito sólidas, não virando nem para fora, nem para dentro. Dedos bem arqueados, bem articulados e cerrados (pés de gato); Almofadas espessas e  sólidas. Unhas curtas e robustas. 

Membros posteriores: sólidos, muito bem musculosos, em harmonia com os membros anteriores. Vistos por trás, paralelos; nem fechados, nem abertos. 

Coxas: de bom comprimento e fortemente musculosas. 

Joelhos: bem angulados; não virando nem para fora, nem para dentro. 

Pernas: suficientemente longas e fortemente musculosas. 

Jarretes: sólidos, bem descidos e bem angulados. 

Metatarsos: fortes e curtos. 

Patas posteriores: como as anteriores.

MOVIMENTAÇÃO: o julgamento da movimentação do Bloodhound é extremamente importante.

Movimentando­se normalmente, trotando, o passo é lento, elástico e livre, cobrindo mais terreno do que qualquer outro sabujo e o que é característico, rolando, sem andar obliquamente. Os posteriores se colocam bem atrás, com uma boa propulsão.  A amplitude dos movimentos dos anteriores e dos posteriores é igual e a linha superior permanece horizontal. Os membros se movem paralelamente, mas em grande velocidade se juntam (single tracking). A cauda é portada alta, em forma de  sabre (sem que a curvatura esteja muito pronunciada). O Bloodhound deve ser capaz de manter um trote de longa duração sem mostrar sinais de cansaço. 

PELE: flexível sobre o corpo inteiro, frouxa e elástica. A pele fina, muito frouxa e abundante sobre a cabeça é muito característica. Sobre a testa e as faces laterais do focinho, a pele forma dobras que são pendentes e mais marcadas ainda quando a cabeça está portada baixa. De qualquer maneira, rugas ou dobras exageradas na testa e nas arcadas sobreciliares não devem jamais prejudicar os olhos. Dobras de pele no corpo, devido a uma pele demasiadamente ampla, não são desejadas. 

PELAGEM 

Pelo: sobre o corpo, o pelo é raso e curto, denso, bastante duro e resistente às intempéries. Sobre a cabeça e as orelhas, o pelo é muito curto e suave ao toque. A parte debaixo da cauda é coberta por pelos um pouco mais longos e mais duros. 

COR: pode­-se distinguir 3 cores de pelo: os bicolores preto e fogo, fígado e fogo e o unicolor vermelho.

Nos cães preto e fogo, a parte do preto varia pelo fato de ser uma sela ou uma capa. No cão com capa, o preto é predominante; o fogo (fulvo) se encontra só no focinho, nas bochechas, acima dos olhos, no antepeito, nos membros e na região do períneo. Um cão com sela apresenta manchas fogo mais estendidas porque o preto se limita, mais ou menos, à parte dorsal. As mesmas disposições das  zonas coloridas se pressentem mais nos bicolores fígado e fogo. As cores não são sempre bem firmes, nem distintamente delimitadas. Nas partes mais escuras, é possível que pelos disseminados mais claros ou de cor texugo apareçam. Uma tal mistura de pelos de cores diferentes é admitida. No unicolor vermelho, o vermelho pode variar do claro ao escuro. Uma cor desbotada de fogo nos bicolores ou de vermelho nos unicolores é indesejável. Um pouco de branco no peito, nos dedos e na extremidade  da cauda é tolerado, sem ser desejado. 

TAMANHO / PESO 

altura na cernelha: a ideal é de   

68 cm para os machos; 

62 cm para as fêmeas.

Tolerância: 4 cm para mais ou para menos. 

Peso: machos: mais ou menos  46 a 54 kg. 

fêmeas:  mais ou menos  40 a 48 kg. 

O tamanho e o peso devem estar em harmonia. 

FALTAS: qualquer desvio dos termos deste padrão deverá ser considerado como falta e penalizado na exata proporção de sua gravidade. 

Aparência geral: muito pesado; pouca substância; ossatura leve; pernalta ou de pernas curtas; construção mais para quadrada do que retangular; falta de nobreza. 

Cabeça: crânio largo e volumoso ou excessivamente estreito; testa fugidia; pele da testa portada muito para a frente; protuberância occipital pouco pronunciada; stop muito marcado; cana nasal côncava; focinho curto ou pouco alto; lábios superiores pouco pendentes. 

Trufa e lábios: falta de pigmentação. 

Dentição: falta de dentes. 

Olhos: muito pequenos, muito profundos; pálpebra inferior muito pendente;  com a conjuntiva bastante visível. 

Orelhas: muito curtas, muito grossas; inseridas acima do nível dos olhos; aderentes ou planas demais. 

Pescoço: curto; pouca barbela. 

Corpo: curto ou muito longo; peito pouco descido; antepeito pouco saliente de perfil; costelas planas ou em barril; dorso fraco ou arqueado; garupa muito elevada ou caída; ventre esgalgado. 

Cauda: inserida baixa; cauda de esquilo; em anel; enrolada; com nó ou quebrada; formando gancho ou desviada.

Membros: demais ou insuficientemente angulados; braço curto; pobres aprumos de perfil (p.ex.: metatarsos anteriores muito oblíquos ou carpos fracos); de frente (p.ex.: virando para fora ou para dentro, antebraço curto, cotovelos soltos, etc.) ou por trás (posteriores fechados, abertos ou em barril, jarretes fechados ou abertos etc.), pés abertos, de lebre ou achatados. 

Movimentação: movimento cerrado, aberto; cão que cruza, que atravessa; movimentos curtos ou muito rígidos; pouca impulsão, má transmissão pelo dorso. 

Cor: cores claras ou desbotadas. 

Características: inseguro ou nervoso. 

FALTAS ELIMINATÓRIAS 

Características: cão agressivo ou muito tímido. 

Aparência geral: ausência de tipo racial.

Dentição: prognatismo superior e inferior; oclusão cruzada; torção. 

Trufa e lábios: fortemente despigmentados ou de cor rosa; de qualquer outra cor diferente do preto, nos cães preto e fogo;  qualquer outra cor diferente do marrom ou preto, nos cães sem sela ou capa preta. 

Olhos: olhos amarelo claros (olhos de rapina). 

Cor da pelagem: todas as cores que não correspondam com a descrição do padrão: desde manchas brancas muito grandes tal qual o branco que sobe até o carpo ou jarrete,  ou muito branco no peito.

Manchas brancas em outro lugar senão no peito, nos dedos ou na extremidade da cauda, assim como um focinho branco, uma listra branca, etc. 

Tamanho: fora das tolerâncias. 

  •  Um cão com qualquer sinal de anomalias físicas deverá ser eliminado. 

NOTAS: 

  •  os machos devem apresentar os dois testículos, de aparência normal, bem descidos e acomodados na bolsa escrotal. 
  •  todo cão que apresentar qualquer sinal de anomalia física ou de comportamento
Designer by Neoware - Criação e Desenvolvimento de Websites e Sistemas - Desafie nossa Criatividade