Padrão de Raça Spinone Italiano

Spinone Italiano

Raça: Spinone Italiano

Grupo: Cães de Caça e Tiro   

Função: Aponte

País de origem: Itália

Aprovado por: Osmir de Moraes Bastos - Presidente 

 

APARÊNCIA GERAL: cão de construção sólida, robusta e vigorosa; forte ossatura; musculatura bem desenvolvida; pelo duro.

PROPORÇÕES IMPORTANTES: a forma do corpo tende a ser quadrada. O comprimento do tronco é igual à altura na cernelha, com uma tolerância de 1 a 2 cm para mais. O comprimento da cabeça é igual a 4/10 da altura na cernelha. Sua largura, medida nas arcadas zigomáticas, é menor que a metade do seu comprimento.

COMPORTAMENTO e TEMPERAMENTO: naturalmente sociável, dócil e paciente; o Spinone é uma caçador experiente em qualquer terreno; muito resistente à fadiga, entra facilmente na vegetação espinhosa ou se lança em água fria. Tem notável disposição para um trote amplo e veloz; por natureza é um excelente cão retriever.

CABEÇA: a direção das linhas superiores do crânio e do focinho são divergentes.

REGIÃO CRANIANA

Crânio: de forma oval; suas paredes laterais inclinam-se suavemente como um telhado, com a protuberância occipital bem desenvolvida e a crista parietal muito marcada. A calota craniana não é muito desenvolvida nem para frente nem em altura; as arcadas superciliares não são muito proeminentes.

Stop: apenas marcado, enquanto que o sulco médio frontal (sagital) é bem pronunciado.

REGIÃO FACIAL

Trufa: no prolongamento da ponte nasal; volumosa, de aparência esponjosa, com a borda superior muito grossa e distintamente arredondada; de coloração rosa-carne nos exemplares brancos; um pouco mais escura nos cães branco e laranja, e marrom acastanhado nos exemplares castanho-ruãos.

Vista de perfil, a trufa projeta-se além da linha vertical anterior dos lábios. As narinas são grandes e salientes.

Focinho: o comprimento é igual ao comprimento do crânio; sua profundidade, medida na metade de seu comprimento, alcança (equivale) 1/3 do seu comprimento. O perfil do focinho é reto ou ligeiramente convexo (nariz romano). As faces laterais do focinho são paralelas, de forma que, visto de frente, o focinho tem aparência quadrada. A linha inferior do focinho é definida pelos lábios superiores; seu ponto mais baixo é a comissura labial.

Lábios: os lábios superiores, bastante finos, formam um ângulo aberto abaixo da trufa; sua parte anterior é arredondada, cobrindo assim o lábio inferior; eles alcançam a comissura labial, onde formam uma dobra visível.

Maxilares e Dentes: poderosos e normalmente desenvolvidos. Em sua parte média os ramos da mandíbula são levemente curvados. Arcadas dentárias bem adaptadas: os incisivos se articulam em tesoura (isto é, os incisivos superiores sobrepõem-se intimamente aos incisivos inferiores e são inseridos ortogonalmente aos maxilares) ou em torquês (ponta com ponta).

Bochechas: secas.

Olhos: grandes, bem abertos e inseridos bem separados. São quase redondos; as pálpebras são bem ajustadas aos olhos, que não são nem salientes nem profundos; os olhos estão em um plano quase frontal. A íris é de uma cor ocre, mais ou menos escuro, de acordo com a cor da pelagem.

Orelhas: de formato praticamente triangular, em comprimento não devem ultrapassar mais do que 5 cm abaixo da linha inferior da garganta; em largura elas vão desde o ponto de inserção da cabeça com o pescoço (nuca) até a metade do arco zigomático. A borda anterior é caída rente às faces, não dobrada, mas voltada para dentro; a extremidade da orelha é ligeiramente arredondada. Quase sempre portada baixa, a orelha tem pouco poder para levantar-se. A cartilagem é fina. A pele é revestida por uma densa pelagem, misturada com pelos longos e esparsos que se tornam mais grossos nas bordas.

PESCOÇO: poderoso e musculoso, claramente inserido na nuca, fundindo-se harmoniosamente nos ombros. Seu comprimento não deve ser inferior a 2/3 do comprimento da cabeça; sua circunferência é igual a 1/3 da altura na cernelha. A borda inferior apresenta uma dupla barbela pouco desenvolvida.

TRONCO: de estrutura tendendo ao quadrado.

Linha superior: a linha superior do dorso é formada por dois segmentos: o primeiro, quase reto, inclina-se desde a cernelha até a 11ª vértebra dorsal, e o outro, ligeiramente convexo, une-se a uma sólida e bem arqueada região lombar.

Cernelha: não muito elevada.

Lombo: ligeiramente convexo, tem músculos bem desenvolvidos na largura. Mede, em comprimento, um pouco menos que 1/5 da altura na cernelha e sua largura é quase igual ao seu comprimento.

Garupa: larga, longa, bem musculosa e inclinada; forma, abaixo da horizontal, um ângulo de 30° a 35°, o qual é medido pela obliquidade do osso do quadril.

Peito: desce pelo menos até o nível dos cotovelos, é largo, profundo e bem arredondado até a metade da altura, onde seu diâmetro transversal alcança seu máximo e diminui perceptivelmente em direção do esterno, mas sem dar ao peito uma forma de quilha em sua junção com o esterno. As costelas são bem arqueadas e inclinadas, com espaços largos entre si. As costelas traseiras são longas, oblíquas e bem abertas.

Linha inferior: quase horizontal na região do esterno, então ascende ligeiramente para o abdome.

CAUDA: grossa, particularmente na raiz; portada horizontalmente ou baixa; sem franjas. Deve ser amputada, deixando um coto de 15 a 25 cm.

MEMBROS

Anteriores: vistos de frente, são perfeitamente paralelos e perpendiculares ao solo. Visto de perfil, o antebraço é vertical e o metacarpo é ligeiramente inclinado.

Ombros: escápula poderosa e longa, medindo 1/4 da altura na cernelha e tem uma inclinação abaixo da horizontal em torno de 50°; em relação ao plano médio do corpo, as pontas das escápulas não são muito próximas. Perfeitamente livres em seus movimentos, os ombros tem músculos bem desenvolvidos. A abertura do ângulo escápulo-umeral é de cerca de 105°.

Braços: oblíquos, com uma inclinação em torno de 60º abaixo da horizontal. Direcionados quase paralelos ao eixo médio do tronco. São bem musculosos.

Cotovelos: paralelos ao plano mediano do corpo. A ponta do cotovelo deve estar um pouco à frente da linha vertical traçada do ponto posterior da escápula ao solo. A distância do cotovelo ao solo é igual a 50% da altura na cernelha.

Antebraços: ligeiramente mais longos que 1/3 da altura na cernelha; verticais, vistos tanto de frente quanto de perfil. Ossatura forte. O tendão posterior é fortemente saliente, de tal maneira que a depressão entre o tendão e o osso é claramente visível.

Carpos: seguem a linha vertical dos antebraços.

Metacarpos: planos e, vistos de frente, seguem a linha vertical do antebraço; vistos de perfil, são ligeiramente inclinados. Seu comprimento está em torno de 1/6 da altura da perna até o cotovelo.

Patas: compactas, redondas; dedos bem juntos e arqueados, revestidos por pelos curtos e grossos, inclusive nos espaços interdigitais. As almofadas, secas e duras, são mais ou menos pigmentadas de acordo com a cor da pelagem. Unhas fortes, curvadas em direção ao solo e bem pigmentadas, mas nunca pretas.

Posteriores: vistos de perfil, os contornos da nádega são ligeiramente convexos; boa angulação dos segmentos ósseos; os jarretes devem ser perpendiculares ao solo; vistos por trás, os posteriores são paralelos e perpendiculares ao solo.

Coxas: seu comprimento não deve ser inferior a 1/3 da altura na cernelha. Sua largura é 3/4 do seu comprimento. Fortemente musculosas. Sua direção é ligeiramente oblíqua, de cima para baixo e de trás para frente. Sua borda posterior é ligeiramente convexa.

Pernas: seu comprimento excede apenas ligeiramente o da coxa; sua inclinação é de 55° a 60° abaixo da horizontal; músculos secos em sua parte superior; o sulco entre o tendão de Aquiles e o osso é marcado e claramente visível.

Articulação dos Jarretes: as laterais são muito largas. A distância entre a ponta do jarrete ao solo é de aproximadamente 1/3 da altura na cernelha. A abertura do ângulo da articulação tíbio-társica é de cerca de 150°.

Jarretes: fortes e secos, o seu comprimento é igual à distância entre o cotovelo e o solo. Vistos por qualquer lado, o metatarso é vertical. Na sua face interna, pode apresentar um ergô simples articulado.

Patas: apresentando as mesmas características das patas anteriores, porém, ligeiramente mais ovais.

MOVIMENTAÇÃO: passadas livres; na caçada, o trote é amplo e veloz, intercalando com passadas de galope.

PELE: bem ajustada ao corpo, deve ser grossa e seca. Mais fina na cabeça, na garganta, na virilha, debaixo dos braços e nas partes posteriores do tronco; nos cotovelos é macia ao toque. A pele forma apenas duas pregas que começam nos ramos da mandíbula inferior e desaparecem na primeira metade do pescoço (barbela).

Quando a cabeça está portada baixa, nota-se apenas uma das dobra, que desce do canto externo do olho até bochecha; na sua extremidade posterior esta dobra termina em um tufo de pelos. A pigmentação da pele varia de acordo com a cor das marcações da pelagem. A cor das membranas mucosas externas deve corresponder à cor da pelagem.

PELAGEM

Pelo: de um comprimento de 4 a 6 cm no tronco, mais curto no focinho, na cabeça, nas orelhas, nas partes anteriores dos membros e nas patas. Nas partes posteriores dos membros, o pelo é como uma escova áspera, mas nunca com franjas. Pelos longos e retos guarnecem as sobrancelhas e os lábios, formando densas sobrancelhas, bigodes e barba. O pelo é reto, duro, denso e bastante assentado, com falta de subpelo.

COR: branco puro, branco com manchas laranja, branco salpicado com laranja, branco com manchas marrons (castanho), ruão ou marrom ruão (castanho). A tonalidade preferida de marrom é a cor da “bata de frade”. As cores não permitidas são: tricolor, marcas castanhas e preto em quaisquer combinações.

TAMANHO / PESO

Altura na cernelha: machos: de 60 a 70cm.

                               fêmeas:  de 58 a 65cm.

Peso: machos: de 32 a 37kg.

         fêmeas: de 28 a 30kg.

FALTAS: qualquer desvio dos termos deste padrão deverá ser considerado como falta e penalizado na exata proporção de sua gravidade e seus efeitos na saúde e bem estar do cão.

FALTAS ELIMINATÓRIAS

- cães agressivos ou excessivamente tímidos.

- linhas superiores do crânio e focinho convergentes.

- total despigmentação da trufa.

- cana nasal côncava.

- prognatismo superior ou acentuado prognatismo inferior.

- olhos porcelanizados.

- pigmentação preta da pele ou das membranas mucosas.

- pelagem tricolor, marcas castanhas ou pretas em quaisquer combinações.

Todo cão que apresentar qualquer sinal de anomalia física ou de comportamento deve ser desqualificado.

NOTA:

- os machos devem apresentar os dois testículos, de aparência normal, bem descidos e acomodados na bolsa escrotal.

Designer by Neoware - Criação e Desenvolvimento de Websites e Sistemas - Desafie nossa Criatividade